Morar no exterior com a mentalidade certa

É muito difícil saber se alguém está preparado para morar no exterior antes de ter vivido uma experiência de alguns anos fora do seu país de origem. Todos aqueles que já moraram no exterior, concordam em pelo menos um aspecto: morar em outro país não é fácil mas ao mesmo tempo é uma experiência enriquecedora.

Dificuldades de morar no exterior

Em algum momento da mudança de país, você vai se sentir incompreendido ou inadequado pois vai se deparar com costumes, ritmos ou mesmo dificuldades com o idioma que vão fazer você querer largar tudo para voltar para casa.

Você pode ser fluente no idioma, mas o fato de ter que pensar o dia inteiro em uma língua que não é a sua, cansa. Algumas vezes, você gostaria de dizer alguns palavrões na sua língua para ter certeza de que a outra pessoa entendeu realmente a situação que você vivendo. Além disso,quando você precisa expressar seus sentimentos em uma outra língua e não consegue se comunicar porque não encontra as palavras certas para falar, aumenta o seu senso de solidão.

Mesmo as pessoas que não vão morar no exterior sozinhas, dizem que no início sentiam-se solitárias. Isso porque ter nascido em um país e viver rodeado de pessoas e lugares que conhecemos bem (família, amigos, etc) ajudam a criar um ambiente acolhedor e confortável que nos permite viver melhor. As pequenas questões da vida cotidiana que não se conseguem resolver porque não se conhece bem o lugar e não se sabe a quem perguntar ou de onde partir para conseguir aquela informação, causam estresse. Isso vale para qualquer país, inclusive a Itália.

É normal em algum momento da mudança de país perguntar-se: “o que foi que eu vim fazer aqui? Eu devia estar louco quando decidi vir morar aqui!” Esse é um sintoma que se apresenta quando se observam dificuldades físicas, psicológicas e mesmo de logística que todo mundo passa em algum momento da vida no estrangeiro. Aqueles que superaram esta fase, dizem que agora vivem felizes.

A verdade é que existem mais pessoas que passaram por isso e não suportaram morar no exterior do que aqueles que se consideram felizes.

Para saber se você está preparado para morar no exterior, é preciso em primeiro lugar possuir a mentalidade certa para enfrentar as novas situações quer irá vivenciar, sair da sua zona de conforto, não acreditar em soluções milagrosas para ganhar dinheiro fácil, procurar emprego ainda no Brasil e saber a hora certa de voltar para casa.

 

1) Possuir a mentalidade certa

As pessoas capazes de se adaptarem a uma vida no exterior com certeza não são tão diferente das demais ou possuem um tipo de personalidade ideal, mas são apenas pessoas com objetivos claros e atitudes e postura certas. Elas não saem de seu país pensando que nunca vão encontrar nada que se compare ao país de origem. Muito menos são do tipo que criam expectativas exageradas, imaginando que vão encontrar um paraíso perfeito onde a vida é maravilhosa, as pessoas honestas e amigáveis. Existem ainda aqueles que não tem certeza se fizeram a escolha justa e acabam na lista dos possíveis fadados ao fracasso.

mentalidade-certa-para-morar-no-exterior Então qual é a mentalidade certa?

Em primeiro lugar, você deve tirar da cabeça que a solução dos seus problemas está em ir embora para sempre e fugir de tudo que lhe desagrada. Muitos fogem da situação econômica e política do Brasil, da falta de empregos e da recessão, da criminalidade e falta de segurança, de um ex-marido ou relacionamento que não deu certo, como se fosse uma escolha definitiva e sem volta, pois não é assim.

Enfrentar uma mudança de vida signicativa e profunda como morar em um outro país é muito mais do que fugir de problemas pessoais, sociais e econômicos, pois diz respeito a sua vida e a sua felicidade. Você deve ter muito claro na sua mente que será uma experiência enriquecedora e uma oportunidade única poder começar do zero. Começar do zero, significa, cultivar novas amizades, provar novos sabores, aceitar viver de modo mais simples, não escolher emprego, mas ser escolhido por ele, conviver com o medo e a solidão diariamente, sentir-se impotente muitas vezes, ter fé e a certeza de que está fazendo o melhor para a sua vida. Você é responsável por suas escolhas, e nessa experiência de sair da sua zona de conforto, existe sempre a possibilidade de recomeçar e aprender com os erros cometidos.

Além disso, estando consciente das dificuldades listadas acima, você pode começar a preparar-se mentalmente antes de sair do Brasil para todos os problemas que podem surgir. Procure blogs e sites de informações sobre as questões culturais do país que você quer morar. Hoje em dia existem inúmeros foruns e blogs de brasileiros que morarm no exterior que se encontram na net para discutirem problemas e dar informações a outras pessoas que querem se transferir para o exterior. Eu gosto bastante do blog Brasileiras pelo Mundo. Resumindo, para viver fora você vai precisar de muita convicção e determinação.

 

2) Cuidado com as soluções milagrosas

Na internet, existe uma quantidade enorme de sites e blogs especializados que ensinam como “largar tudo e mudar de vida”, oferecendo muitas vezes soluções milagrosas para quem quer mudar de país e ter seu próprio negócio.

Os golpes geralmente se desenvolvem de duas maneiras diferentes: A primeira e mais comum é oferecer ajuda para aqueles que pretendem mudar para um determinado lugar e mudar suas vidas, a segunda, mais elaborada, é propor investimento muito rentável, para as pessoas que têm uma certa quantidade de dinheiro, e querem mudar e investir no exterior.

trabalho-facil-na-italiaExistem ainda aqueles que oferecem trabalho fácil dizendo que chegando no país, eles conseguem arrumar toda a documentação para arrumar um emprego rápido e fácil. Desse modo, pedem algum dinheiro inicial para traduzir documentos e pagar taxas.

Duvide sempre desse tipo de solução milagrosa, pois conseguir emprego na Itália, por exemplo, não é nada fácil.

 

3) Procure emprego antes de mudar definitivamente

Mesmo se você tiver meios e dinheiro suficientes para viver um determinado período em plena auto-suficiência, sem trabalhar, transferir-se para um país estrangeiro sem ter um emprego, torna as coisas ainda mais difíceis. Primeiro, se você não tem uma renda garantida e comprovada em praticamente qualquer país do mundo, você pode viver por um período máximo de 6 meses, que pode ser prorrogado se você comprovar que possui uma renda que possa suprir as suas necessidades.

Encontrar-se no exterior, sem conhecer ninguém, sendo forçado a falar uma língua que não é a sua, já é difícil o suficiente; acrescente a isso tudo o peso de ter que encontrar um emprego o mais rápido possível. Para uma mudança de vida deste tipo, serve planejamento e um mínimo de certezas e garantias. A segurança de ter uma fonte de renda, é a primeira delas e deve ser iniciada no Brasil.

procurar-emprego-na-italiaAlém disso, se você começar a olhar os sites de emprego do país estrangeiro, você conseguirá perceber rapidamente se possui um perfil que pode ser facilmente empregável no local de destino. Por exemplo, com um pouco de pesquisa, você terá condições de analisar se as empresas daquele país preferem empregar pessoas mais jovens ou com mais experiência, quantos tempo você precisa possuir de experiência comprovada, quais os tipos de especializações são mais procuradas naquele país, etc.

Para poder, realmente, morar no exterior você precisa de um emprego, pois nenhum país lhe dará permissão para residir se você não provar que possui um modo de pagar suas contas e morar dignamente.

 

4) Decida a hora de voltar para casa

Quando você pensa de virar a página para mudar sua vida e morar no exterior, você está associando esta mudança a uma ruptura completa e total com o mundo que você vive agora; este sentimento deriva do desejo de dar uma guinada radical em sua própria existência, esquecer todo o passado e viver melhor.

A percentagem de insucessos decorrentes desse tipo de pensamento  é maior do que a dos sucessos. Por esta razão, cortar todas as relações com a nossa vida anterior, não é apenas contraproducente, mas pode até mesmo piorar a situação, se precisarmos voltar ao nosso país de origem.

Há uma grande parte de pessoas que, depois de passar muitos anos felizes no estrangeiro, decidem voluntariamente de voltar para casa, simplesmente porque a vida no estrangeiro lhes guiou para um retorno com as experiências do passado. Essas pessoas acabam tendo que recomeçar nos seus países de origem, pois depois de um tempo vivendo fora se deve reaprender a viver na sua própria pátria.

Outras pessoas não cortam o cordão umbilical tão drasticamente e viajam com regularidade à sua terra natal, especialmente para visitar suas famílias. Isso ajuda muito a manter os vínculos de afeto. A falta de afeto é uma das causas mais frequentes do repatriamento.

morar no exterior placa com o caminho de casaPor todas estas razões, mesmo em face de uma vida feliz no país estrangeiro, a oportunidade de voltar para o Brasil deve ser sempre considerada. Fechar as portas, cortando todas as relações com o país de origem ou negligenciar o sofrimento imposto pela distância, é um risco que não vale a pena correr. Esse tipo de comportamento pode dificultar o nosso retorno, principalmente, se a nossa experiência no exterior não for positiva.

 

* * *

Escreva seu comentário